Políticos são personagens públicas. Já foi explicado várias vezes em textos anteriormente publicados que o eleitor conhece o candidato pela sua imagem, não pela sua personalidade total. E a imagem do candidato começa com a sua aparência.

Políticos conhecidos são como artistas famosos. Aparecem nos jornais, revistas, na TV; despertam curiosidades sobre sua vida pessoal e familiar; compõe, em uma palavra, aquela dimensão de espetáculo que a política naturalmente incorpora, mais ainda numa era televisiva.

A aparência do candidato, portanto, é o primeiro ponto de contato entre ele e o eleitor. Descuidar da aparência constitui-se num daqueles erros que corrói uma candidatura, sem mandar aviso e sem deixar marcas. É, pois, uma questão de prevenir, ou corrigir, se o problema for detectado a tempo.

Aparência física

rosto de um homem
Políticos são indivíduos que se destacam de uma coletividade

Você não é obrigado a ser bonito (a) e charmoso (a) para se eleger, mas se for ajuda. Em qualquer hipótese, sua aparência física influi na opinião dos eleitores. Há certas condições que são para efeitos práticos proibidas. Por exemplo, a obesidade do candidato prejudica e muito. Se você estiver muito acima do seu peso, trate de fazer regime antes da campanha.

As pessoas tendem a associar estar em forma com o sucesso, autocontrole, e estar de bem com a vida. Inversamente, o candidato gordo é percebido como desleixado, indisciplinado, e com baixa autoestima. Isto não significa que um candidato gordo não será eleito. Mas significa que terá mais dificuldades.

Além da questão do peso, importa também sua máscara facial. Nem o esgar do sorriso permanente, que transmite a ideia de falsidade, nem a “cara amarrada” que aparenta má vontade, irritação e antipatia. O rosto deve transmitir naturalidade. Sorridente quando há razões, sério quando o assunto ou a situação exige, mas sempre atencioso, interessado e atento.

A postura também importa. A maneira de andar, o gestual, a maneira de sentar-se à mesa, a forma como cumprimenta as pessoas são componentes da imagem que será construída pelos indivíduos. A regra geral é ficar o mais próximo possível do natural.

Se a situação é formal, comporte-se com mais sobriedade, se é informal adote um comportamento mais descontraído, sem permitir-se excessos.

A maneira de vestir-se

alfaiate
Importante: escolha das roupas

Tão importante quanto sua aparência física é a forma de vestir-se. Sempre que estiver afastado de seu local de residência, leve consigo várias mudas de roupa, desde trajes mais formais (escuros) a roupas mais esportivas. A roupa que você usa deve ser adequada para sua idade, sua compleição física e para as situações em que você vai usá-la.

A palavra chave é adequação. Não se preocupe em “lançar moda”, usando roupas que chamem a atenção para sua originalidade. Você certamente vai chamar a atenção, mas vai deixar uma suspeita de vaidade, futilidade e pouca seriedade.

Suas roupas devem apresentá-lo(a) como uma pessoa que se veste bem, com capricho, limpeza(atenção com os sapatos) e bom gosto. Nada mais que isso, nada menos que isso. Os mesmos critérios se aplicam para o uso de roupas informais. Devem ser adequadas para a situação e para você. Cuidado sempre com o excesso de informalidade.

Assessoramento

Você muito provavelmente vai necessitar de assessoramento de profissionais para orientá-lo em questões de aparência. Uma orientação geral para suas viagens/deslocamentos, na seleção das peças de roupa necessárias para levar junto. Já para apresentações na TV, o assessoramento será fundamental.

Nestas situações, você necessitará de assessoramento na escolha das roupas, que precisarão combinar com a luminosidade, com as cores do estúdio, assim como os cuidados de maquiagem, mãos, cabelos e barba.

As questões relativas à sua apresentação e postura ficarão a cargo do seu diretor, caso esteja gravando no seu estúdio. A aparência do candidato, portanto, está muito longe de tratar-se de uma questão de vaidade pessoal. As pessoas fazem inferências políticas a partir da aparência.

Um candidato desleixado é percebido como um político que não dá atenção a detalhes, que é descuidado e que provavelmente se comportará da mesma forma no poder.

Um candidato que se apresenta como uma pessoa que dá excessiva atenção à aparência tenderá a ser percebido como um indivíduo vaidoso, superficial e fútil, o que também não o recomenda para governar. Fugindo destes dois extremos, com um assessoramento competente e com os cuidados normais, sua aparência poderá ajudá-lo na conquista de votos.