Widget Image
SIGA-NOS

Pós-eleição: 7 tarefas imediatas para o legislador eleito se ocupar

Na política não se deixa espaço vazio nem tempo ocioso. O legislador eleito também não pode perder tempo. No período de tempo entre a eleição e a sua posse há muitas providências a serem tomadas para que possa dar início ao seu mandato nas melhores condições. Assim como o candidato eleito para um cargo executivo, você deverá, no mais breve espaço de tempo, converter sua equipe de campanha numa equipe de assessoramento legislativo.

Ao fazer isto, seu objetivo é escolher as pessoas certas para as funções certas. Como as funções de assessoria legislativa são muito diferentes das funções eleitorais, esta “conversão da equipe” não é tarefa banal, não se resume a nomear as mesmas pessoas para funções diferentes.

Alguns deverão ser aproveitados, outros não, e você por certo vai precisar contratar alguns que não integraram a equipe de campanha. Seu gabinete terá que ter a sua “cara”, e estar a altura dos novos desafios e demandas que um cargo legislativo impõe. Tenha muita atenção.

Se eleito, você deve converter, sem demora, sua equipe de campanha numa equipe de assessoramento legislativo

Mandato definido, gabinete estruturado, salários pagos em dia, em muitos casos são fatores que estimulam um espírito burocrático, numa função que deve permanecer muito dinâmica, inquieta, orientada para o futuro, e produtiva.

As pessoas que você escolher deverão possuir este perfil. Por esta razão faça uma seleção criteriosa e objetiva, com vistas a escolher as pessoas certas. Não ceda a tentação de levar para seu gabinete aquele sobrinho que precisa de emprego, ou aquele cabo eleitoral tão esforçado, e outros mais, por razões desta ordem.

É sua carreira que está em jogo. Você quer e precisa de um gabinete que funcione como uma usina de ideias, que seja capaz de pesquisar minuciosamente as questões de seu interesse, que se mantenha em contato com seus eleitores. Em uma palavra, você quer um gabinete que o ajude a ter sucesso na função, e uma estrutura com hábitos burocráticos não vai ajudá-lo.

Algumas tarefas, portanto, são básicas e exigem uma atenção imediata:

1 – Chefe de Gabinete

A escolha do seu chefe de gabinete é a mais importante decisão que você vai tomar neste período. Quem a ocupar deve satisfazer dois critérios: fidelidade pessoal e competência política e administrativa. Em muitos casos escolhe-se o coordenador da campanha. Há muitas semelhanças entre as duas funções, sobretudo a confiança absoluta e o talento e disciplina para dirigir múltiplas e diversificadas tarefas.

2 – Livrar-se dos débitos de campanha

Ter a contabilidade de campanha em ordem é fundamental para começar bem as novas funções. Não deve ser tarefa muito difícil. A vitória facilita em muito a captação das contribuições necessárias.

3 – Escolher a equipe para o gabinete

Sempre é bom também ter alguém no seu gabinete que represente sua base eleitoral principal

Conforme a casa legislativa, o número de funções à disposição do legislador varia de uns poucos a mais que uma dezena. Os atributos pessoais e profissionais desejáveis foram mencionados acima. Não se afobe em preencher todos os cargos de uma só vez. Guarde alguns. A comissão para a qual você for designado provavelmente vai exigir a contratação de um especialista na área. Sempre é bom também ter alguém no seu gabinete que represente sua base eleitoral principal. Mas cuidado. Escolha alguém que não provoque divisões no seu reduto. Alguém que circule bem entre todos os grupos.

4 – Batalha pelas comissões

Boa parte do seu futuro na casa vai depender do seu trabalho nas comissões. Procure entrar nas comissões que lidam com matérias nas quais você tem conhecimento e interesse. É uma tarefa que vai depender de negociações, com o líder do seu partido, os demais líderes, com seus colegas. Se for a sua primeira eleição, não vai ser fácil escolher. Os mais antigos terão prioridade na escolha das melhores comissões.

5 – Estabeleça relações com a imprensa

Se houver previsão escolha um jornalista para seu assessor de imprensa, se não, atribua esta função a uma pessoa com suficiente familiaridade com a área de comunicação. É muito necessário que você tenha um assessor de imprensa na sua área eleitoral para repercutir localmente seu trabalho. Além disso, procure montar a sua própria operação de comunicação, abrindo contatos com jornalistas, repórteres setoriais, e com os comentaristas e analistas.

6 – Organize sua comunicação com os eleitores

Esta é uma tarefa que começa no primeiro dia e não termina mais. Nada prejudica mais um político do que somente procurar o eleitor na época da eleição. Crie suas malas diretas, informe o telefone para contato, visite com freqüência seus redutos, produza mídia local permanentemente, e guarde algum tempo para receber eleitores que vêm procurá-lo no gabinete. Eles sempre contam na volta como foram recebidos. Trate-os bem, mas dentro de horários pré-fixados, para mostrar que você tem muitas outras ocupações.

7 – Batalha por espaço

Estamos falando de gabinete como organização, mas há também o gabinete como espaço físico. Conseguir um bom gabinete é uma batalha. Dela participam os mais antigos que se reelegeram, assim como os novos. Não há regras para isto. Há a recomendação que você use seus recursos de persuasão para buscar o melhor que lhe for possível, dentro das circunstâncias.