Login

Register

Login

Register

Widget Image

A resistência italiana na 2ª guerra mundial e seu hino Bella Ciao

Bella Ciao

Os movimentos de resistência nos países europeus durante a segunda guerra mundial constituem-se em um episódio marcante de afirmação de patriotismo e defesa nacional contra a ocupação nazista de suas nações.

Esses movimentos se organizaram em todas as nações conquistadas pelo nazismo. Na Itália, governada por Mussolini com seu regime fascista, houve também uma heroica resistência contra as autoridades políticas e policiais fascistas e contra o nazismo que, em razão do fracasso militar fascista ocupou parcialmente a Itália para evitar o avanço dos aliados.

Como movimento armado, baseado em uma estratégia de guerrilhas, a resistência surge quando a Itália é invadida pela Alemanha, em 1943. Os membros do movimento eram chamados de partigiani isto é um combatente armado que não pertence a um exército regular, mas sim a um movimento de resistência ao invasor. Seu campo de ação é a retaguarda do inimigo e sua ação militar é tanto o combate, como ações de sabotagem dos recursos usados pelos ocupantes: linhas férreas, rede elétrica, comunicações, atentados, roubar cargas, libertar prisioneiros.

Como regra esses movimentos compunham-se de combatentes de qualquer corrente de ideia, religião ou ideologia. Havia, pois combatentes católicos, comunistas, liberais, socialistas, monarquistas, anarquistas. O que importava era a disposição para lutar contra o inimigo. Os principais movimentos de resistência ao nazismo durante a segunda guerra mundial foram: Resistência Francesa, Italiana, Soviética, Iugoslava, Polonesa, Tcheca, Austríaca, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Grécia, Hungria, Alemã, Judaica.

O oposto da resistência era a colaboração com o invasor, o colaboracionismo; situação em que o país derrotado, entrega-se ao vencedor e com ele colabora tornando-se inimigo e perseguidor de seus compatriotas. Colaboracionistas depois da derrota do nazismo eram usualmente executados, enquanto que colaboracionistas mulheres, sobretudo aquelas que tinham relações afetivas e familiares com alemães, tinham seus cabelos raspados e eram expostas à uma raivosa execração social.

Nos países do leste europeu onde o nazismo foi derrotado pelo exército soviético e que, após a guerra deram origem ao bloco comunista comandado pela União Soviética e unificados em torno do Pacto de Varsóvia, os líderes dos movimentos de resistência na sua maioria foram perseguidos pelo governo stalinista que preferia colocar no poder os que haviam permanecido na URSS durante a guerra, já devidamente treinados para jamais contestar o poder soviético.

Nenhum caso foi mais típico da hostilidade que se desenvolveu contra o movimento de resistência da Iugoslávia, comandado por Josip Broz Tito que tornou-se, ao fim da guerra, herói nacional, por ter liderado o único movimento de resistência que não recorreu à ajuda externa para derrotar o nazismo. O conflito com a URSS foi tão intenso que Stalin patrocinou diversas tentativas de assassinar Tito e, não conseguindo expulsou a Iugoslávia do bloco comunista, não a reconhecendo como país socialista.

Curioso também é o fato de que a Itália, de tantos fracassos militares do seu exército fascista, teve nos seus movimentos de resistência exemplos heroicos maiúsculos como os dos outros movimentos de resistência.

Uma expressão da força simbólica da resistência italiana é a música que veio a ser o hino da resistência, não apenas italiana mas de todos os países: a canção Bella Ciao.

A partitura e o autor da letra são desconhecidos. A canção foi gravada por vários artistas italianos, russos, bósnios, croatas, sérvios, húngaros, ingleses, espanhóis, alemães, turcos, japoneses, chineses e curdos.

La Casa de Papel

Bella Ciao ganhou nova popularidade através da série “La Casa de Papel (Money Heist)” produzida pela Netflix. A trama se passa na Espanha, e conta como o Professor reúne um grupo de criminosos altamente habilidosos para executar o seu plano de assaltar a Casa da Moeda.

A personagem principal da trama, Tóquio, explica a importância da música para o personagem Professor e, consequentemente como ela acabou se tornando um hino para todos os integrantes.

“A vida do Professor girava em torno de uma única ideia: Resistência. Seu avô, que havia lutado contra os fascistas na Itália o ensinou a canção e ele ensinou para nós” – Toquio

BELLA CIAO

Stamattina mi sono alzato (Esta manhã eu me levantei)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (oh bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)*

Stamattina mi sono alzato (Esta manhã eu me levantei)

e ho trovato l’invasor (e descobri o invasor)

O partigiano, portami via (Oh! partisan, me leve com você)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)*

O partigiano, portami via (Oh! partisan, me leve com você)

ché mi sento di morir (porque me sinto morrendo)

E se io muoio da partigiano (e se eu morro, como partisan)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)*

E se io muoio da partigiano (e se eu morro, como partisan)

tu mi devi seppellir (você deverá me sepultar)

E seppellire lassù in montagna (sepultar lá, encima da montanha)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)

E seppellire lassù in montagna (sepultar lá, encima da montanha)

sotto l’ombra di un bel fior (debaixo da sombra de uma bela flor)

Tutte le genti che passeranno (todos aqueles que passarão)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)

e le genti che passeranno, (e as pessoas que passarão)

Mi diranno “Che bel fior!” (me dirão: que bela flor!)

“E questo è il fiore del partigiano”, (“e esta é a flor do partisan”)

o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao! (o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!)*

“E questo è il fiore del partigiano (“e esta é a flor do partisan”)

morto per la libertà!” (morto pela liberdade)

“E questo è il fiore del partigiano” (…é a flor, do partisan)

E questo è il fiore del partigiano (…é a flor, do partisan)

morto per la libertà!” (morto pela liberdade!)

 

Compartilhar