Widget Image
SIGA-NOS
InícioHistória e Cultura

O contexto histórico Depois que a fase conhecida como o “terror” da Revolução Francesa esgotou seu curso, dizimando seus líderes na guilhotina, o poder ficou nas mãos do que se chamou “reação termidoriana”. Em 1795, os sobreviventes da Convenção, que sancionara os

O grande tema da política no fim do século XIX e durante o século XX foi a construção da modernidade. Revolução industrial, nacionalismo, guerras mundiais, revolução socialista, independência dos países colonizados, urbanização, revolução tecnológica e outros processos sociais podem ser

Há, ao longo da história política, alguns textos que se tornaram imortais por se referirem a um sentimento muito forte, muito humano, e muito intensamente sofrido. A palavra chave é sentimento. Não se trata de um artigo ou discurso que tenha um

Maximilien de Robespierre nasce em Arras, filho de um advogado. Estuda direito e filosofia, conquistando prêmio de 600 libras por seu desempenho, pelo Colégio Louis le Grand. Pratica a advocacia sustentando suas causas nos princípios iluministas, anti clericais e anti-aristocracia. Em

O processo de modernização de uma sociedade tem sido invariavelmente definido com referência a características sociais, expressas em variáveis macrossociológicas. Assim sendo transposto um determinado limiar nas estatísticas sobre urbanização, educação, produtividade, infraestrutura, saúde, comunicações considera-se que a sociedade em

Desde o fim da segunda grande guerra em 1945, os pensadores políticos debatem a seguinte questão: como uma nação tão rica e desenvolvida, e um povo do nível cultural do alemão (a nação de Goethe, Beethoven, Brahms, Rilke, Kant) pode

Certas datas não devem e não podem passar em branco, despercebidas. O dia 9 de novembro de 1989 foi uma delas. Nessa época o muro de Berlim foi derrubado, pelos berlinenses ocidentais e orientais. Esta é a primeira observação que

Na política, há situações em que se torna indispensável não somente reconhecer um erro, mas dar uma demonstração pública de arrependimento. É uma circunstância limite. Políticos odeiam reconhecer erros e reagem, com uma revolta quase indignada, à sugestão de admitir

Este discurso é uma das mais belas peças oratórias fúnebres. É talvez o momento mais emocionante da tragédia Julius Ceasar de Shakespeare, e um dos mais exigentes testes de eloquência para as legiões de intérpretes de Marco Antônio ao longo

A frase é de Disraeli (Benjamin Disraeli, Earl of Beaconsfield- 1804/1881), líder do partido Conservador da Inglaterra, durante a segunda metade do século XIX, criador do chamado "Tory Socialism" - o apoio do partido conservador às reivindicações da classe operária