Widget Image
SIGA-NOS

Transição: trabalhando com três equipes

Os problemas sobre os quais vão trabalhar, os prazos dentro dos quais operam e os perfis dos participantes são completamente diferentes. Tentar integrar tudo numa só equipe envolve riscos altos de que as tarefas não serão desincumbidas a contento, dentro do exíguo período de tempo da transição. É, pois, aconselhável compor três equipes, atribuindo a cada uma delas funções específicas, prazos definidos, e selecionando para integrá-las pessoas qualificadas para aquelas funções.

A equipe de transição

A equipe de transição é criada com o objetivo de preparar a troca de um governo para outro

Este é o nome genérico que se atribui à equipe formada pelo candidato eleito para preparar a transição de um governo para outro. Muitas vezes, sob este nome, constitui-se uma única equipe que assume todas as atividades e responsabilidades.

Quando se trabalha com três equipes, a da transição adquire um perfil bem definido:

Composição: é integrada por pessoas que reúnem três atributos fundamentais: absoluta confiança e lealdade ao governante, elevada qualificação técnica e experiência política.

Tarefas: encarrega-se de fazer o levantamento completo da situação do governo que receberá. Para tal, terá que originar vários grupos setorizados (para cada área de governo). Confiança e lealdade são indispensáveis porque agem em nome do governante, carregam consigo os poderes do governante, são seus representantes mais autênticos e indiscutíveis. Não podem pois, criar problemas para o seu chefe, devem ser discretos, mas firmes nas suas exigências e capazes de usar a autoridade do governante sempre que necessário para realizar suas tarefas. Qualificação técnica é também um requisito indispensável. Somente a sua experiência administrativa é que permitirá, em tão curto período de tempo, chegar a um relatório onde se encontra a situação real do governo. Finalmente, devem também possuir experiência política, porque vão lidar com matérias sensíveis politicamente, em relação as quais, haverá toda a sorte de resistências ou “maquiagens” por parte do governo que sai, para entregar.

Objetivo: oferecer ao governante um retrato da situação atual em que encontrará o governo que lhe incumbe dirigir. Trata-se, como se vê, de um objetivo predominantemente técnico. Ele deve ser capaz de permitir ao governante começar o seu trabalho, desde o primeiro dia, sabendo a condição financeira do governo, projetos em andamento, meios para viabilizar seus projetos de campanha, compromissos de curto, médio e longo prazo, propostas de reformas na máquina governamental e tudo o mais que é necessário para começar a governar.

A equipe de campanha

A equipe de campanha deve ter profissionais, sobretudo nas áreas de publicidade, estratégia e pesquisa

A equipe de campanha tem todo um outro universo de tarefas, problemas e preocupações para se ocupar.

Composição: uma seleção criteriosa dos profissionais que fizeram a campanha, sobretudo nas áreas de publicidade, estratégia e pesquisa além do coordenador geral da campanha. São pessoas da confiança do governante, testadas na batalha eleitoral, mas incluem também profissionais contratados para tarefas específicas.

Tarefas: suas tarefas são exclusivamente políticas. Assessoram o candidato nesta fase para “recondicionar” imagem e mensagem; administram a exposição do candidato na mídia; preparam eventos e viagens; investigam os sentimentos do eleitorado no pós eleição; e planejam a estratégia de início de governo. Paralelamente, cabe ao coordenador da campanha, liquidar a campanha neste mesmo período, de forma a que não surjam questões inconfortáveis de natureza legal ou financeira.

Objetivo: Aumentar a popularidade do candidato junto à opinião pública e à classe política, sem aumentar expectativas. Dotar o eleito das melhores condições políticas, ao início do governo, para implantar seu projeto.

A equipe de governo

Os objetivos da equipe de governo são administrar com competência e honestidade e realizar o que foi prometido em campanha

A equipe de governo, como o nome indica, é o conjunto das pessoas escolhidas e convidadas pelo governante para assumir cargos e responsabilidades institucionais no seu governo.

Composição: os nomes escolhidos decorrem de uma “transação” entre as preferências pessoais do eleito e das contingências políticas que cercaram sua eleição (compromissos assumidos, indicações partidárias, técnicos e especialistas em áreas específicas, busca de maioria no legislativo, entre outras) Como se vê, nesta equipe, ainda que se exija lealdade e disciplina, o grau de confiança e lealdade serão consideravelmente inferiores, ao do primeiro grupo. Integrarão esta equipe também, indivíduos que participaram das duas primeiras equipes, principalmente da primeira. Os da segunda equipe tenderão a ser aproveitados de forma predominante como assessores pessoais do governante.

Tarefa: as tarefas desta equipe, uma vez constituída, são a de dirigir o governo, de administrar seus setores, implantando o programa de governo com o qual o candidato se elegeu. Estas tarefas, ao contrário do caso das duas outras equipes, começam após a posse, ainda que seja comum, uma ou duas reuniões com seus integrantes, antes de assumir

Objetivos: os objetivos são os objetivos de governo. Administrar com competência e honestidade e realizar o que foi prometido em campanha.

Com a posse, o núcleo central da primeira equipe, tendo concluído sua missão, e possuindo aqueles atributos especiais de confiança, competência administrativa e experiência política, estará integrado ao primeiro escalão (equipe de governo). A segunda equipe, de sua parte, deverá ser aproveitada, parte dela, como assessoria especial e pessoal ao governante e a outra parte (mais profissional – publicidade e pesquisa) provavelmente será contratada para prestar serviços à administração nova.

Três equipes, para funções diferentes, com perfis pessoais e profissionais diferentes, trabalhando para objetivos comuns. Três equipes que, ao longo do período da transição, podem vir a se acomodar numa única equipe de governo, ainda que em posições diferenciadas.